Resenha: Lago dos Sonhos

Quando li pela primeira vez sobre Lago dos Sonhos, imaginei o mesmo ser um drama com conflitos familiares. E, como adoro filmes de drama – pois a verdade é que não leio muitos livros desse gênero-, achei que a história me agradaria. Uma produção cinematográfica conta com seus artifícios próprios e diretores e roteristas para dar certo. Tratando-se de um drama, imagino que seja importante passar para o espectador a dor e os conflitos ali envolvidos, além de um tanto da personalidade de cada personagem. Falando-se de um romance, isso tudo – com os artifícios somente fornecidos pelo texto – depende, unicamente, do autor. E Kim Edwards – autora também do sucesso de vendas, O Guardião de Memórias – consegue desempenhar muito bem essa tarefa. Sua narrativa  é detalhada ao extremo, fazendo com que as cenas e paisagens possam ser imaginadas com clareza. E os personagens são também explorados de forma ampla, o que nos permite entrar nos conflitos entre os mesmos facilmente. Além de tudo, afinal, Lago dos Sonhos não é bem “um drama com conflitos familiares”. Temos, sim, esses dois elementos, mas descreveria melhor a história dizendo  que é uma busca pelo perdão e superação do passado. Um busca guiada por Lucy, uma personagem que você aprende a amar, sentir raiva e sofrer junto.

Lucy é uma jovem que vive se mudando para vários países do mundo. Sua vida é “nômade” desde a morte de seu pai, quando tinha 17 anos. Ela se distanciou bastante de sua cidade natal, Lago dos Sonhos, o que fez não só com que ela se desaproximasse de sua família, mas também com que não superasse várias coisas já esquecidas por parentes e amigos. Mas é necessária uma visita a sua antiga casa quando sua mãe parece ter sofrido um acidente. Então, prometendo se encontrar mais tarde por lá com seu namorado Yoshi, ela parte de sua casa no Japão e retorna ao seu velho lar.

Por lá, todos parecem estar muito bem com as diversas mudanças que ocorreram: sua mãe está tendo um caso, seu irmão está trabalhando para seu tio – com quem seu pai sempre brigara – e a casa está para ser vendida. Lucy sente-se atormentada com tudo aquilo acontecendo, por mais que todos não entendam a grande razão.

Numa de suas buscas pela casa, ela encontra um bolo de cartas bem antigas. Estas abrem a porta para algo acobertado por sua família: uma parenta chamada Rose, que teve uma filha, Iris. Ninguém dá a devida importância a descoberta, mas Lucy passa a pesquisar mais sobre Rose, descobrindo muito sobre sua atormentada vida e sua triste e bela relação com sua filha. À medida que mais entende sobre Rose, cada vez mais é possível compreender e lidar com tudo que corre a sua volta. As cartas são surpreendentes e muito interessantes. Quando elas aparecem no livro, temos um prazer tão grande em lê-las quanto Lucy, que se anima ao coletar mais informações sobre sua misteriosa parente.

A narrativa de Kim, como já disse antes, é estremamente descritiva. A leitura é bem agradável e acho que os vários detalhes enriquecem o texto e complementam nossa imaginação. Li algumas resenhas dizendo que o livro parece parado em determinadas partes, mas não concordo. A história sempre flui. Talvez seja parado para quem não aprecia muito detalhadas descrições, as quais eu achei bem escritas. A autora nos apresenta tão bem os personagens que, ao final, quando Lucy descobre algo revelador, eu já sabia o que seguiria dali, pois conhecia muito bem com qual personagem a situação combinava.

Comovente, motivador e belamente escrito, Lago dos Sonhos é um livro com um ótimo texto e uma história bem elaborada.

Anúncios

Sobre Victor

Gosto de cheiro de livros novos e de biblioteca com livros velhos, de livros ( dessa vez das letras mesmo ), de chocolate, de escrever, de ficar no computador, de dias frios com céu bonito, de ir ao cinema, passear no shopping com os amigos e de viajar. Ensino inglês e um dia ainda quero publicar alguma coisa. Bolsa Amarela, Harry Potter e a pedra filosofal , Entrevista com o vampiro e Crônicas de uma namorada são meus livros favoritos. Perdi a conta de quantas vezes vi "A Múmia". Quanto às séries que gosto, sempre mudo. Elas têm suas temporadas e eu tenho as minhas.

Escreva seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s