Transformers!

transformers-teaser-poster.jpg

“Um filme que varia entre positivos e negativos, mas que no fim cumpre mais do que se propõe e diverte o público da maneira correta.”

Por Bruno Albuquerque de Almeida.!.xD.

Há quem diga que Transformers seja um filme bem infantil, bem sem sal e sem graça. Com todo o respeito, eu discordo, como já disse Sr. Tony Stark em Homem de Ferro. Transformers, o filme, que foi aguardado por mim durante 3 longos anos, consegue, sim, divertir o público, causar enormes cargas de risos e desenvolver uma história longa e cheia de carisma.

Quando começou o ano de 2007, disse para mim mesmo: É esse o ano. E tudo pode acontecer naquele filme. E o pior é que tuo aconteceu mesmo: chamaram Michael Bay para comandar o filme, mas em compensação chamaram Steven Spielberg para auxiliá-lo na produção. Convidaram Megan Fox para atuar como a mocinha principal, mas em compensação chamaram o talentoso e carismático Shia Labeouf, grande descoberta do humor cinematográfico atual. Enfim, como já devem ter percebido, classifico Transformers um filme de altos e baixos, e prometo descrever ao máximo possível suas características.

Para começar, o enredo do filme: corrido, atropelado e com muita informação sendo jogada na nossa cara. Diferentemente de A origem, do genial Christopher Nolan, Transformers não sabe cuidar bem dessas informações. Diferente do filme sobre os sonhos em camadas, o longa sobre carros que se transformam em robôs alienígenas gigantes pensa estar sendo inteligente ao criar uma história densa, mas bagunçada; carismática, mas errônea; diferente, mas bastante clichê em diversos momentos. Admito que o filme arrisca-se em diversos momentos, e isso é interessante, já que em outros filmes de Bay ele sempre concentra-se em fazer o que já está certo que vai funcionar. O problema é acreditar profundamente que esses riscos vão dar certo o tempo inteiro. O humor exagerado garante diversos risos, dinamiza mais a trama esua narrativa, mas nada acrescenta à história, não auxilia em momento algum. Mas sei admitir que os atores selecionados para o filme( Shia Labeouf, John Turturro e Anthony Anderson, mestres do carisma na arte da atuação) são muito talentosos e ainda tem muito o que nos mostrar – e ensinar! Mas a atuação sem sal e sem graça, e muito menos dotada de emoção, de Megan Fox atrapalha e compromete bastante o desenvolvimento de sua personagem, que aliás é muito pobre de conteúdo, se atendo aos estereótipos cinematográficos, diferentemente do personagem de Shia Labeouf, o Sam, muito interessante e diferente do que estamos acostumados a ver. Mas, mesmo assim, como a Megan Fox, linda daquele jeito, consegue soltar sorrisinhos durante uma explicação sobre a sua vida de criminosa ao lado do pai, sendo que ela demonstra arrependimento durante diversos momentos? Vai saber…

Agora, chega de detonar Transformers. Como já disse aqui anteriormente, ele tem vários pontos positivos. A história, super original, garante um entretenimento bem inigualável com os filmes lançados naquela época( uma enxurrada de blockbusters e continuações, muito mal desenvolvidas e aterradas de clichês cinematográficos dominavam o mês de junho e de julho em 2007). As cenas de ação, principalmente as de batalhas entre os robôs gigantes( que fizeram parte da minha infância – hoje tenho 15 anos de idade. !. . xD.) são de tirar o fôlego. Aliás, os efeitos especiais e visuais estão simplesmente fantásticos, sendo perfeitos em diversos momentos. Sim, digo “perfeitos” porque são “perfeitos”. A cena em que vemos a primeira transformação de Optimus Prime é de nos embasbacar até o final da sessão no cinema( ou na sua casa, mas enfim xD). O filme possui a mais irreverente, bem feita e executada, além de muito explosiva e grandiosa cena de batalha urbana. Nisso, Michael Bay “se garantiu” MESMO. Se bem que é esse o seu forte – destruir coisas, matar pessoas e dizimar cidades e planetas.

No fim, Transformers acaba sendo errôneo me diversos aspectos narrativos, mas consegue acertar em cheio em diversos deles.

Nota: 7,3

Anúncios

Sobre Bruno Albuquerque

Crítico de cinema há 4 anos. Para os haters, o "metido a dono da razão".

Escreva seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s